Estamos atualmente no mês de Abril, e logo se aproxima a entrega da Declaração de Ajuste Anual de Imposto de Renda Pessoa Física.

Hora de juntar a “papelada” toda: documentos, extratos, informes de rendimentos, comprovantes de venda de bens, etc. É muita coisa para lembrar, dá trabalho... E se esquecer de algo, o Leão sempre lembra (deveria ser um elefante, não é mesmo?)

Algumas pessoas tiram de letra, e fazem a sua própria declaração. Há também instituições de ensino que oferecem essa prestação de serviço gratuitamente. Para aqueles que não tem paciência, ou até mesmo sentem dúvidas quanto ao preenchimento, há a opção do serviço dos profissionais de Contabilidade.

Feita a declaração, há duas hipóteses possíveis: a pessoa terá restituição do Imposto de Renda (reteve mais do que era obrigada), ou terá de pagar a diferença (reteve menos do que se esperava) – por isso o nome de Declaração de Ajuste.

Quando saldo a restituir, só alegria! Pessoal organiza churrasco, programa compras com esse dinheiro inesperado, ou para aqueles que estão mais “apertados” financeiramente, surge a possibilidade de antecipação da restituição do Imposto de Renda por parte das instituições financeiras.

O problema é quando ainda existe saldo a pagar de imposto... “Mas como? Já paguei muito durante o ano! Tem algo errado aí”... E na maioria das vezes, não tem.

Sempre aparece um amigo, conhecido, que diz que nunca paga, ou que paga pouco, com sugestões mirabolantes:
- “Eu conheço fulano, ele emite um comprovante, você paga e coloca como dedução.”
- “Coloque que vendeu o imóvel por menos.”
- “Põe seus pais como dependentes.”

Ledo engano, não vai engambelar o Leão por muito tempo (aquele que tem memória de elefante, estão lembrados?). Pois é. Há muito tempo nossa vida não é mais privada. Vide nossas redes sociais. Imagine então a quantidade de informações que o governo tem de você, por meio do cruzamento de informações. Já parou para pensar que tudo é digital hoje em dia?

Hoje se cruza informações de várias fontes. Sugiro pesquisar três termos na internet: T-Rex, Harpia e Hal. Esqueçam os links que falam sobre dinossauros ou aves de rapina. Quando fizerem a busca, acrescentem na frente o termo Receita Federal. Vocês irão se surpreender. Esse são os verdadeiros “Big Brothers”!

Sabendo disso tudo, você ainda se sente confiável em tentar enganar o leão do Imposto de Renda? Fica a dica: cuidado com o Leão!
 
Autor:
Prof. Me. Leandro Vila Torres
Coordenador do GTCC