Fim de ano em dia!

E o ano passou. Já está no finalzinho. E nem percebemos o tempo passar. Quantos, na brincadeira, não desejaram emendar o Carnaval até o Natal, Ano Novo, e não é que aconteceu? Acho que não do modo desejado, mas enfim, o ano “voou”.

E apesar dos apesares, de toda a situação atual, chegamos no final do ano. E fim do ano é época de festas (esse ano com “n” restrições). E presentes. E gastos...

Na data que escrevo o texto, dia 30 de novembro, é o último dia para as empresas pagarem a primeira parcela do 13º. É um dia de grande felicidade, não é mesmo? (para quem é empregado, lógico).

Essa primeira parcela vem “limpa”, como eu costumo dizer. Porque o empregado recebe metade do seu salário, sem nenhum dos descontos. A segunda parcela, que o empregado recebe até o dia 20 de dezembro, é onde mora o problema. Vem a parcela “suja”: a outra metade, com todos os descontos de tributos e contribuições.

E aí mora o perigo. Um dinheiro extra, duas parcelas, e uma segunda parcela menor que a primeira. Isso pode ser uma benção; ou uma catástrofe também...

Mais um salário. Vamos gastar. É só uma vez por ano. Eu mereço, trabalhei o ano todo. Isso tudo é verdade. Mas temos que tomar cuidado. Não gastar tudo. Lembrar que no início do ano temos vários tributos para pagar (IPVA, IPTU) além de outras despesas de início de ano, como o material escolar.

O foco é disciplina. Aproveitar um pouco desse valor extra. Está com dívidas? Procurar regularizar. Sobrou dinheiro? Pense nas contas do início do ano. Ainda tem um pouquinho? Vamos comprar alguma lembrança, os presentes do final do ano. E lógico, como sempre, poupar.
 
Prof. Me. Leandro Vila Torres
Coordenador GTCC